Minha lista de blogs

terça-feira, 13 de abril de 2021

JESUS, RECEBA NOSSO IRMÃO GILDO GOMES PARA A ETERNIDADE.

 

A finitude, sempre foi um dos maiores temores da humanidade. A peste nos acompanha desde sempre, em forma de pandemias que se propagaram pelo mundo. Segundo o padre e filósofo Las Casas, a gripe foi usada pelos espanhóis no final do século XVI, para dizimar populações nativas na América do Sul e dominar toda costa do Oceano Pacífico. Com o Covid 19, os chineses foram muito eficazes na tarefa de reduzir drasticamente a população mundial. Infelizmente, uma das vítimas dessa maldade foi meu amigo Gildo Gomes, uma das pessoas mais inteligentes da Serra. Nosso grau de amizade me permitiu conhecer seus sonhos e planos, que estavam se realizando a cada dia na presença do Senhor. Gildo era muito mais que bom marido e grande pai, foi um cidadão completo, cuja cidadania escorria por seus lábios, em forma de belíssimos discursos e ferrenhas disputas políticas pelo poder, onde quer que ele estivesse, inclusive na igreja, onde ele deixou muitos corações chorando. Eu não chorei, porque o amigo não entenderia, em razão do seu preparo para a vida celestial. Gildo hoje é mais um dos anjos, em forma de pássaro, que voa na nossa alma nos orientando no caminho do bem. Vá com Deus amigo, você sim, mereceu a graça da salvação.


quinta-feira, 8 de abril de 2021

A Nova Lei, com Soraya Manato e a importância do Teste do Pezinho


A anemia Falciforme é fruto de uma mutação no processo evolutivo da humanidade, que ocorreu na África. Segundo o Manual de Anemia Falciforme para a população do Ministério da Saúde.

- O nosso sangue é formado de células vermelhas chamadas de hemácias. As hemácias são células redondas repletas de um pigmento chamado de hemoglobina, que dá a cor vermelha ao sangue. Essa hemoglobina chama-se A, de adulto. A hemoglobina e o ferro são responsáveis por levar o oxigênio do pulmão para todo o corpo, para que todos os órgãos funcionem bem. Vocês já ouviram falar muitas vezes em anemia. A anemia é a diminuição da hemoglobina no sangue. Na maioria das vezes, essa diminuição ocorre por falta de ferro no sangue, razão pela qual os órgãos não recebem a quantidade suficiente de oxigênio e não podem desempenhar bem suas funções. A hemoglobina A e o ferro têm uma função muito importante.

Há muitos anos, na África, a malária matava muitas pessoas. Por esse motivo, a natureza resolveu proteger seus filhos da morte pela malária, provocando neles uma alteração genética que chamamos de mutação, alterando a informação que vem no gene (DNA). Com a alteração, essas pessoas passaram a produzir a hemoglobina S, em vez da hemoglobina A. Assim, quem tivesse na hemácia a hemoglobina S não seria infectado pela malária. Ela não é arredondada como a hemoglobina A, tem formato de “meia lua” ou foice, por isso Falciforme.

Devido ao tráfico de negros africanos e dos movimentos populacionais em busca de melhores condições de vida, essa mutação se espalhou pelo mundo. No Brasil, pelo fato de o país ter recebido uma grande população de africanos e por apresentar alto grau de mistura de raças, existem muitas pessoas com anemia falciforme, principalmente os afrodescendentes.

No dia 06 de junho se comemora o dia do Teste do Pezinho. Muito importante, principalmente para os negros e seus descendentes. Atualmente o teste prevê 06 doenças: Fenilcetonúria – provoca comprometimento do desenvolvimento neuronal;

Hipotireoidismo congênito – alteração na tireoide que pode interferir no desenvolvimento e provocar retardo mental;

Anemia falciforme – alteração nas células vermelhas do sangue que reduz a capacidade de transportar oxigênio;

Hiperplasia adrenal congênita – provoca deficiência hormonal levando a crescimento excessivo, puberdade precoce ou outros problemas físicos;

Fibrose cística – provoca produção excessiva de muco, comprometendo o sistema respiratório e afetando o pâncreas; e

Deficiência de biotinidase – provoca a incapacidade de o organismo reciclar a biotina (vitamina B7), levando a convulsões, falta de coordenação motora e atraso no desenvolvimento.

Más a Lei do Novo Teste do Pezinho, que contou com o empenho da médica capixaba Dra. Soraya Manato é um avanço na preservação da vida. Como deputada federal ela contribuiu muito para que o teste se amplie para mais de 50 doenças, evitando muita dor e sofrimento. A importância de uma médica no Congresso Nacional, é esse sentimento de humanidade e compromisso com a vida. Por esse motivo, entre outros, Soraya Manato é considerada uma das melhores deputadas federais do Brasil.

  

quinta-feira, 1 de abril de 2021

O Bonde de Casagrande contra Carlos Manato

  

                                  Imagem copiada da página oficial do Sérgio Vidigal no Facebook

O Espírito Santo se prepara para a maior polarização política, desde os tempos da MACACA. A famosa junção política entre Max Mauro pai, Gerson Camata e Camilo Cola. Com muito dinheiro do velho da Itapemirim, Max, Camilo e Camata fizeram sucesso com seus bonecos gigantes, que alegravam tanto as crianças. Mas estamos falando agora de novos tempos, tecnologia de comunicação mais informação, contra informação, inteligência e redes sociais. A queda de Casagrande nas pesquisas, diante do avanço exponencial do cara da Direita, o Carlos Manato, assustou o Governador. Ao ponto de Casagrande tentar unificar a esquerda e o centro, deixando para Manato apenas o Bolsonarismo, esse movimento que vem crescendo a cada dia no interior do Estado. Depois da “fachina" na ficha suja do Lula, em alusão ao ministro Fachin colocado pelo PT no STF, ninguém mais duvida de que não faltará licitude ao Bandido para concorrer à sucessão do Bolsonaro. Lula poderá formar uma grande frente política unindo PT, PSB e até o PDT. Ciro Gomes vai cantar de galo no princípio, mas depois de umas cachaçadas com Lula, aceitará a vice na chapa dos bebuns, que disputarão a Presidência com Bolsonaro. Embora Ciro não tenha perdido a esperança de ser presidente atacando o PT, para ser o ante Lula e ante Bolsonaro, numa polarização triangular, catando a rejeição do presidente e do ex-presidente juntas, ele poderá mudar de opinião, como já lhe aconteceu outras vezes.

Aqui no Estado, por uma questão de concordância geopolítica, essa junção já está acontecendo o PT e o PDT estão no Governo do PSB. Essa engenharia política montada por Casagrande foi se definhando ao ponto da derrota total, projetada nas pesquisas eleitorais para 2022. Sabendo que Carlos Manato fará uma devassa nas contas dessa gestão, principalmente em relação às verbas federais para combater o Covid 19, o governador fará o impossível contra o candidato de Bolsonaro. A posse do Manato, certamente vai dar início a uma auditoria profunda nas contas do Centroavante, que contará com o Ministério Público de Contas e até a Polícia Federal, numa apuração minuciosa dos supostos atos criminosos em relação às verbas do Corona Vírus. Manato, como médico aposentado, sente a dor da perda dos entes queridos nas famílias capixabas. Está rodando pelo interior consolando os comerciantes, que estão perdendo dinheiro com a política de isolamento social do Casagrande. A avaliação do Governo do Estado está em nível crítico. Por toda parte se fala mal do Centroavante.

Diante dessa derrota certeira Casagrande foi buscar alternativas para fazer seu sucessor. Levou para o Governo o Podemos do Gilson Daniel, que tem o melhor serviço de inteligência, informação e contra informação do Estado. A visibilidade do Gilson vem crescendo, tudo indica que ele será o candidato desse grupo. Além da juventude, boa aparência e qualificação técnica, provou ser um grande gestor. Politicamente Daniel tem uma postura de centro direita e ficará desconfortável num possível palanque do Lula aqui no Estado. Mas é uma alternativa para abocanhar uma parcela do eleitorado do Manato, que rejeita os partidos de esquerda. Por esse motivo Gilson Daniel é uma grande ameaça. Pessoas do círculo íntimo sabem que Gilson na verdade deseja ser candidato a deputado federal, mas num projeto maior envolvendo o Governo do Estado, certamente o ex-prefeito toparia o desafio. A natureza dele é essa, competitivo, eficiente e amante dos desafios. Além disso tem muito vigor e charme para cair numa campanha e conquistar o voto feminino, que sempre foi seu forte.

Porém, se confirmar a coligação nacional das três maiores legendas esquerdistas com Lula, na sucessão de Bolsonaro, Sérgio Vidigal (PDT) poderá sim, ser o cara da esquerda unificada aqui no Estado. Até mesmo por conta da sua afinidade com o ex-presidente do PT. Além de ser bem articulado politicamente é conhecido de ponta a ponta do Espírito Santo. Já foi candidato ao governo e deve se sentir preparado para essa tarefa de governar o Estado.

No plano eleitoral, temos que perceber Carlos Manato como o pré-candidato de Bolsonaro, que já vem de uma longa pré-campanha pesada nas redes sociais. Após a posse de Casagrande, Manato não ficou de quarentena em casa de braços cruzados. Tomou suas precauções de médico e partiu para o interior rodando o Estado todo com sua esposa, a deputada Soraya Manato. É natural seu crescimento, em função da rejeição do atual Governador e o bom desempenho do Governo Federal. Manato tem histórico avantajado de bons serviços prestados, principalmente em favor dos produtores rurais. A produtividade rural em algumas cidades aumentou devido aos equipamentos que Manato conseguiu com suas emendas particulares no Orçamento da União e os convênios dos municípios com o Governo Federal conduzidos pelo ex-deputado.

Essa esperança de mudança representada pelo Manato tem a mesma energia, que está eletrizando o país inteiro pedindo o segundo mandato de Bolsonaro. Por mais que a oposição se esforce, o Presidente continua na dianteira em todas pesquisas de opinião pública divulgadas pela mídia.

Não se trata mais de um mito, agora é um temor do retorno ao um passado de corrupção, que colocou o país no fundo de um poço difícil de sair. Tem gente que defende a candidatura de Lula, para nos enterrar de vez nesse poço profundo de corrupção política e desvio de verbas públicas no Brasil. O PT representa um passado sombrio de todo os tipos de crimes, incluindo os homicídios de queima de arquivos que até hoje não foram solucionados.

Tudo isso não muda esse fato: Lula é um gigante corrompido, mas continua um grande político, amado e odiado em igual proporção. Numa disputa contra Bolsonaro, com os artistas e a mídia ao seu serviço Lula teria chances reais de voltar à Presidência. Aqui no Estado apenas o Vidigal e o João Coser estariam qualificados nos moldes petistas para ser o candidato de Lula em 2022.

 

domingo, 21 de março de 2021

Um Palanque forte no Estado para Lula em 2022


 

Digamos que o Brasil se confirme como uma Zonocracia, comandada pelo Braço Jurídico do PT no STF. Os Ministros da Suprema Corte indicados pelo PT estão concluindo a tarefa de fabricar uma licitude amarga à Democracia, a “Fachina” na ficha suja do Lula. Ao anular todos os processos que restringia a liberdade política do ex-presidente Lula, o Ministro Luiz Edson Fachin, de forma monocrática triturou a Constituição permitindo a Zonocracia. Agora o chefe da gang petista, que saqueou o Brasil, poderá ser candidato e até ganhar uma eleição sem legitimidade, porém com licitude garantida no topo do Judiciário Brasileiro. Mas, a Esquerda Organizada em todos os setores da sociedade está ignorando um fato social, que é a reação política dos apoiadores de Bolsonaro, seu exército digital de Bolsomínios. Gente que não fica só nas redes sociais, mas também vai às ruas protestar em favor do Presidente da República.

No Espírito Santo, é quase certo, que Casagrande vai derrubar o rei no início da partida, colocando em seu lugar Gilson Daniel, que já está no Governo, ou seu maior parceiro, Sérgio Vidigal, que lhe deu no passado um cargo de secretário, salvando sua carreira política, após um fracasso eleitoral. Essa dívida política não tem preço, e pode ter chegado a hora de pagar a fatura. Sérgio Vidigal tem a seu favor, João Coser do PT e um pedaço do PSB da Serra. Caso Ciro Gomes fosse, nessa abstração o vice de Lula, numa junção histórica PT/PDT, o que é praticamente impossível, Vidigal teria condições de compor uma grande frente política de Esquerda, com o PSB, PT e Cia, incluindo até o Podemos, caso o vice de Vidigal seja Gilson Daniel. Nesse cenário em abstração, Lula teria o melhor palanque do Estado. Mais uma força que poderia impulsionar essa mega coligação é a possível candidatura ao governo do ex-prefeito Audifax Barcelos (REDE), só para dar palanque a Marina Silva. Nós sabemos que Audifax é muito caseiro e vai desejar o retorno à Prefeitura da Serra, imputando ao Vidigal a terceira derrota seguida em disputas eleitorais entre ambos. Nada melhor para amaciar a carne dura, bater, bater e bater. Essa é a tática do Audifax, que poderá ser o grande pai desses cabos eleitorais abandonados por Vidigal após a eleição passada. Mas nosso prefeito tem um problema interno ainda maior ao seu lado, a rejeição na imagem da sua esposa, vista como perseguidora de servidoras bonitas e ciumenta. Ela entende bem a estrutura de poder que comanda junto ao marido. Conquistou um espaço de decisão administrativa na gestão, que as vezes entra em conflito com o complexo xadrez político do Marido, num nível de inteligência muito mais elevado. Mas numa disputa ao governo do Estado, isso não seria obstáculo. Uma boa representação dos idosos, que criaram filhos bem sucedidos e saudáveis.

Mais uma vez, Vidigal poderia viver a emoção da disputa entre criador e criatura contra Carlos Manato, ao exemplo de Audifax, ele também foi seu secretário. O palanque de Bolsonaro cresce a cada dia no Estado, na medida do crescimento do Presidente nas pesquisas eleitorais. Enquanto o Governador despenca continuiamente, Carlos Manato vem abocanhando esse eleitorado que rejeita Casagrande e sua ligação com o PT de Lula e João Coser. Ao representar os conservadores, principalmente os evangélicos, Manato lidera a ala da direita já polarizada desde a eleição passada, quando quase alcançou o segundo turno contra Renato Casagrande.

Uma possível disputa de Carlos Manato contra Sérgio Vidigal é muito mais que uma disputa entre criador e criatura, até porque, a força do Manato vem da igreja Maranata desde o início da sua carreira política. Naquele tempo Vidigal estava mais interessado em eleger a esposa a deputada estadual, já que não sentia firmeza na sua eleição para deputada federal. Manato, pelas Graças de Deus, como dizem seus eleitores evangélicos, foi durante seus quatro mandatos destaque na sua atuação como deputado em Brasília. Um exemplo de pontualidade, honestidade, trabalho e respeito ao povo capixaba. Vidigal, um adorador de Lula confesso, teve no ex-presidente a inspiração pelo social, assistencialismo e até no que diz a corrupção, inclusive superando Lula em processos por esse motivo. Então eu pergunto quem formaria o melhor palanque para Lula no Espírito Santo, João Coser, que foi desmascarado pelo atual prefeito de Vitória na eleição passada ou Sérgio Vidigal, cuja justiça ainda não produziu provas de seus supostos esquemas de corrupção. Isso com Casagrande candidato a senador, no mesmo palanque. Sérgio Vidigal se transformaria ao lado de Lula numa grande ameaça contra Carlos Manato e Bolsonaro no Estado. Desde a década de oitenta eu não mais subestimo Sérgio Vidigal. Numa eleição, que ninguém dava nada por ele foi um dos vereadores mais votados. Não perderia a oportunidade histórica de compor o palanque de Lula no Estado. Com seu carisma e história de vida vai fazer a diferença em 2022, mesmo que seja candidato a governador apenas para eleger a esposa como deputada federal e o filho deputado estadual.

 

 

quarta-feira, 10 de março de 2021

BOLSONARISMO CONTRA LULISMO, CARLOS MANATO CONTRA CASAGRANDE

 

Pediram para que eu fizesse uma análise mais detalhada do cenário político e econômico nacional, com olhar no Espírito Santo, a luz dos novos fatos sociais, ao nível nacional. Pois bem, partindo do campo econômico, a redução na atividade produtiva, apesar dos apelos do Presidente Bolsonaro para os trabalhadores não ficarem confinados em casa, foi isso que acabou acontecendo, desacelerando a economia em larga escala. Segundo a nota técnica do Dieese disponível no site: http://www.coreconpr.gov.br/wp-content/uploads/2016/02/nota.pdf

 - O País enfrenta um período recessivo acompanhado por uma aceleração inflacionária. Embora não seja inédito, esse quadro é desolador, uma vez que o desaquecimento econômico deteriora o mercado de trabalho, provocando aumento de desemprego e queda dos rendimentos dos trabalhadores, cenário que se degrada ainda mais quando a taxa de inflação aumenta.

Isso é verdade, no supermercado a população percebe o aumento do custo de vida, na hora de comprar o gás ou abastecer o carro. Embora o Governo Federal tenha reduzido o preço do combustivo na origem, ainda continua alto nos postos de abastecimento. A Esquerda covardemente atribui esse fenômeno socioeconômico ao Bolsonaro e seus Ministros. Não considera que a própria esquerda elevou o país a um nível de corrupção nunca vista na face da terra. Esvaziando os cofres públicos e condenando a Nação com pesadas dívidas internas e externas. Se não bastasse o desvio bilionário do dinheiro no BNDES, para republiquetas antidemocráticas e caloteiras, que deram tombo no BNDES, recompensado com os Fundos de Apoio aos Trabalhadores (FAT). Se esqueceu também de suas campanhas em nível nacional para os trabalhadores ficarem em casa na Pandemia, já conspirando a estagflação que está começando atualmente. Por tudo dito, repito a Esquerda é covarde!

A liberação de Lula, para concorrer à Presidência em 2022, rasgada da Constituição numa nebulosa manobra jurídica, por um entre os vários Ministros do Supremo Tribunal Federal indicados pelo PT. É um fato que estava no imaginário de uma pequena parcela da sociedade brasileira, que acreditava nessa insanidade jurídica, que acabou acontecendo. Com Lula no páreo, a política brasileira ficará focada basicamente entre o Bolsonarismo na ideia de continuidade e o Lulismo na ideia de mudança. Embora seja benéfico para Bolsonaro essa polarização com Lula, para Carlos Manato será melhor ainda. Vai obrigar Casagrande a receber os beijos e abraços do barbudo corrupto, excluído da Lava Jato por seu braço jurídico no STF. Casagrande por sua vez, não teve essa mesma sorte e continua atolado na lama da Lava Jato.

Carlos Manato, a maior expressão do contra lulismo é também a maior expressão do Bolsonarismo no Estado.  Contra Casagrande Lulista, que despenca em todas as pesquisas de opinião, vem Carlos Manato, o Bolsonarista, que avança a cada dia, na medida que Bolsonaro vai se consolidando como presidente honesto e trabalhador. No artigo passado sobre a jogada de mestre de Casagrande, que já estaria derrubando o rei e passando o bastão para Gilson Daniel é uma grande probabilidade, já que o eleitor clama por mudança em nível estadual. Mas quem será o nome dessa mudança, Carlos Manato ou um dos novatos? Você eleitor que vai decidir. De ante mão poço garantir, Bolsonaro terá um grande palanque no Estado. Disso eu tenho certeza, conheço Carlos Manato e sei da sua luta por justiça e igualdade de condições na promoção do desenvolvimento no interior do Espírito Santo.  Manato e sua esposa Soray estão sempre abençoando os municípios do interior nas suas emendas no Orçamento Federal, com maquinário e equipamentos na produção agrícola. Politicamente Manato se destaca mais no interior, onde Casagrande tem sua imagem ligada ao PT. O Governador obrigado a se converter ao Lulismo, por forças de coligações históricas entre PT e PSB, já está se posicionando contra o Bolsonarismo há muito tempo. Se a sua rejeição por esses fatos já era acentuada, imagina agora, por isso Casagrande despenca, enquanto Manato avança nas pesquisas de opinião.

 

segunda-feira, 8 de março de 2021

O Exército Eleitoral da Prefeita Sueli Vidigal, e as eleições de 2022

    

Hoje eu quero falar nesse artigo da mulher mais poderosa da Serra. Mulher guerreira que batalha aos gritos para realizar seus desejos políticos, à moda antiga de Maquiavel, não importando os meios e consequências, até a violência simbólica ou mesmo física se for inevitável. Após a morte, por crivo de balas do seu motorista, que nunca foi investigada profundamente, passou a ser chamada nos meios intelectuais de “mulher gangster”. Ela também é uma figura mitológica, dizem outros, de dar medo em juízes e promotores. Deixando de lado a conturbada composição da imagem da Primeira Dama da Serra, vamos ao seu lado bom. Acreditem ela tem um!

Um fragmento de História Serrana. No meu passado na Esquerda, comecei militando no PCB, comandado na Serra, naquela época, meados da década de 1980, por Adão Célia e Dr. Sant Clair”. Achei o comunismo uma ideologia pesada, tanto quanto as Obras de Carl Marx, que carregávamos debaixo dos braços, sem abrir, sem mesmo ler o prefácio. Mais tarde passei a conhecer esses conceitos no curso de sociologia.

Convidado pelo saudoso Ex-prefeito Naly Miranda me filiei ao PDT e passei a ser um dos seus discípulos. Naly tinha uma biblioteca enorme e trocávamos livros e ideias em muitas oportunidades. Eu desejava ser candidato a vereador, mas meu discurso carregado de sotaque mineiro era sempre motivo de chacotas, por isso adiei. Nas nossas reuniões tinha os favoritos e também um médico psiquiatra, tímido, que ninguém dava nada por ele. Naquela época uma inspiração, pois esse médico foi o mais votado do partido, se elegendo vereador. Assim conheci o atual Prefeito Sérgio Vidigal (PDT). No início da década de 1990 comecei um projeto para ser vereador da Serra, no ano seguinte embarquei numa candidatura na canoa furada do Sérgio Vidigal que nos derrotou. Planejava ser candidato outra vez no PDT, mas fui convidado a deixar o partido, na voz macia do então deputado Sérgio Vidigal. Minha ligação com João Miguel Feu Rosa, que era professor da UFES, no Departamento onde eu trabalhava, levantou suspeita de que eu seria um traidor. Foi uma decepção, Vidigal era a minha esperança de mudança.

A carreira política de João Miguel se dissolveu na finitude de seu último mandato de deputado federal. Eu me formei em sociologia e passei a fazer pesquisas de opinião pública, qualitativas e quantitativas. Pensava que sabia tudo sobre o tema da Ciência Política e opinião pública. Sem fazer uma pesquisa, me candidatei a vereador na eleição do ano passado e tive dez vezes menos votos, do que da primeira vez que fui candidato. Tinha uma coisa que eu havia esquecido sobre o eleitor serrano, o volume de campanha.

A Família Vidigal ao contrário, sempre elevou seus volumes de campanha, ao ponto de saturar o eleitor, cravando uma derrota no coração de Sueli Vidigal e duas derrotas no coração do Marido. A rejeição de Sueli qualificada em várias pesquisas, tem haver com esse mito, que faz dela uma mulher temida e odiada por muitos, mas também adorada por um exército de cabos eleitorais, que ocupam parte do secretariado e os cinco níveis dos cargos em comissão. Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, também para dar notícias sobre a máquina eleitoral de Sueli, vejamos. Um exército de cargos comissionados comandado por nossa Prefeita Guerreira, turbinada pela frustração da derrota na eleição passada para deputada estadual. Na Igreja Evangélica quando o marido é pastor a esposa é vista como pastora. As ações imperativas de Sueli, junto aos cargos comissionados, fazem dela a prefeita de fato aos cargos ligados à SEMAS - Secretaria Municipal de Assistência Social e Secretaria de Saúde, entre outras.

A gestão Vidigal distribui o poder, como se fosse um tabuleiro de Xadrez. Sérgio Vidigal seria o Rei, Sueli a Rainha, os secretários seriam as Torres e os cargos de CC1 a CC3 seriam os Bispos. Já os cargos CC4 os Cavalos e os cargos CC5 os diversos piões, que podem ser sacrificados a qualquer momento em função das jogadas políticas com vereadores, financiadores, amigos e apoiadores.  Mestre Vidigal já mostrou que poderá sacrificar qualquer um, até mesmo a Rainha, dependendo da jogada política. Mas ele prefere uma gestão compartilhada entre o Rei e a Rainha. Tem jogadas maldosas que poderá usar a Rainha ou até mesmo os Cavalos, que saltam por obstáculos maximizando sua maldade. Os cargos comissionados são distribuídos entre: Prefeito, Primeira Dama e vereadores. Existe um conflito eles, com Sueli Vidigal tentando manipular esses cargos em função da sua próxima candidatura em 2022. A sabedoria profunda de Sérgio Vidigal, muitas vezes é ofuscada pela falta de habilidade da esposa, acostumada a ganhar tudo no grito. Alguns de seus gritos acabam acordando velhos fantasmas ligados à Polícia Federal e membros sérios do Ministério Público de Contas. Esse Exército de Cargos Comissionados exige jogadas inteligentes por mantê-los nesse tabuleiro político minimizando sacrifícios desnecessários.

Deveria haver uma Lei proibindo esposas e filhos dos prefeitos, governadores e até mesmo do presidente da República de serem candidatos aos cargos eletivos. É uma grande injustiça quando o peso eleitoral da máquina, somado aos fundos públicos de campanha facilitam o acesso ao poder às esposas e filhos dos gestores públicos e agentes políticos.  Se Fábio Duarte e Sueli fossem disputar um mandato de deputado estadual, veja o que aconteceria. A esposa do prefeito teria um monte de facilidades contra as dificuldades de Fábio Duarte, por exemplo: acesso aos cargos das empresas terceirizada na prefeitura da Serra e prováveis “doações” em recursos financeiros na modalidade de caixa dois, imperceptíveis pela Justiça Eleitoral. Saber jogar com a justiça é a única coisa que explica, uma carga com dezenas de processos judiciais sem solução e até mesmo supostos crimes sem investigação.

A Família Vidigal tem que entender, que o que gerou rejeição contra Sueli é a perigosa Leia da Física sobre ação e reação.

- A terceira lei de Newton, conhecida como lei da ação e reação, afirma que, para toda força de ação que é aplicada a um corpo, surge uma força de reação em um corpo diferente. Essa força de reação tem a mesma intensidade da força de ação e atua na mesma direção, mas com sentido oposto. Assim está no Google.

Quando Sueli tentar sacrificar um peão CC5, poderá bater de frente contra um vereador e até mesmo o prefeito Rei e ser sacrificada em função das suas barbaridades e conduta que foge à liturgia da função de Primeira Dama. Para concluir mostro uma luz no fim do túnel, o lado bom de Sueli Vidigal. Me lembro dela ainda jovem, nas ruas gritando palavras de ordem para eleger o marido. Provavelmente Sérgio Vidigal não teria uma carreira política tão sólida, sem essa guerreira infalível que foi Sueli levando seu nome para todos os bairros da Serra e até mesmo cidades do Estado. Se eu fosse Sérgio Vidigal lançaria Eduardo Vidigal, seu filho do outro casamento, a deputado estadual, e daria a Sueli a chance de se aposentar no cargo de deputada federal. Com esse exército eleitoral tão ordeiro e bem mandado, o grupo poderia preitear esses cargos públicos de deputados. Os piões CC5, que nada têm a perder são peças que algumas podem defender o Rei Prefeito de ataques violentos e repentinos. Moral da estória nem todos os piões podem sofrer sacrifício, e alguns devem ser promovidos a peças mais importantes. Estamos em tempo de Pandemia, com desaceleração econômica e ameaça de estagflação, com desemprego e recessão. Exonerar alguém e transforma um aliado em adversário, inevitavelmente.  Dito isso, Feliz dia Internacional da Mulher Prefeita Sueli Vidigal, que Deus ouça seus gritos por misericórdia.


quinta-feira, 4 de março de 2021

O GOLPE DE MESTRE DE CASAGRANDE

 

Foto adquirida no endereço: https://www.agazeta.com.br/colunas/vitor-vogas/gilson-daniel-o-novo-homem-forte-do-governo-casagrande-0321

O seu governador nos surpreendeu, com a jogada repentina no reforço da própria imagem ao compor sua equipe com o ex-presidente da Amunes e ex-prefeito de Viana. Gilson Daniel é sinônimo de ótimo gestor, capacidade administrativa e formação técnica. O Serviço de Inteligência de Casagrande já deve ter detectado os confrontos imaginários do nosso chefe de Estado com os novatos no cenário político estadual. Sem contar o confronto real contra Carlos Manato, o parceiro de Bolsonaro no Estado, que lhe bate todos os dias nas Redes Sociais, já polarizados desde a campanha passada.

O Sérgio Meneguelli aparece até em pesquisas para presidente do Brasil. Esse tipo moderno de populismo, que começou com o Dória, quando se vestia de gari e ficava varrendo ruas e cuidando de jardins, quando prefeito. Dória se projetou ao governo de São Paulo usando essa estratégia. Meneguelli como prefeito foi um ótimo gari, já que sempre era visto limpando ruas e cuidando de jardins. Quando as enchentes invadiram o interior do Estado, lá estava Sérgio Meneguelli, com sua surrada camisa: “Eu amo Colatina, toda suja de barro e as mãos calejadas pelo sacrifício de ajudar pessoas desabrigadas e colaborar naquele momento crítico. Essa imagem de quem quer ajudar é o diferencial entre o ex-prefeito de Colatina e o governador de São Paulo, que quer entregar de mãos beijadas o patrimônio público do Estado aos comunistas chineses.

O Lorenzo Pazolini é outro gestor que está sendo avaliado nesse momento, como prefeito de Vitória. Se não for candidato vai pesar a balança em favor daquele que obtiver seu apoio.

Por fim tem o Coringa, no baralho político de Casagrande, o ex-prefeito melhor avaliado no Espírito Santo, que também presidiu a Amunes. Gilson Daniel já provou suas habilidades políticas e poderá comandar o serviço de inteligência de Casagrande. Se não for candidato ao governo, deverá disputar umas das cadeiras de Deputado Federal.

A Serra contribui nesse cenário político com os dois rivais, outrora aliados Audifax Barcelos e Sérgio Vidigal. Caso Audifax seja candidato ao governo, Vidigal vai cair na campanha de Casagrande.

Deixando de lado a abstração sobre cenários hipotéticos, hoje, só tem dois grupos políticos no páreo, para disputar com possiblidade de vitória o governo do Estado, o Bolsonarismo e o Lulismo. Na liderança vem Carlos Manato impulsionado pelo Bolsonarismo, que cresce a cada dia. Casagrande, que despenca nas pesquisas continuamente, bate de frente com Bolsonaro para atrair os lulistas. Mas as suspeitas de corrupção no governo, bem como seu nome cravado na Lava Jato, somado às suspeitas de corrupção no tratamento da Covid 19, fazem do governador uma carta quase fora do baralho. Se Casagrande for mesmo candidato a Presidente do Brasil, será desmascarado em nível nacional e dificilmente conseguirá fazer o sucessor.